Implante celular é nova técnica para tratamento de Vitiligo – Pelle

Implante celular é nova técnica para tratamento de Vitiligo

Implante celular é nova técnica para tratamento de Vitiligo

Um novo tratamento para o Vitiligo está atraindo pacientes de várias regiões do Brasil para a Clínica Pelle. A técnica chamada de Implante Celular de Melanócitos permite que os pacientes se recuperem mais rapidamente a coloração das regiões do corpo atingidas pela doença. O novo tratamento foi desenvolvido pelo dermatologista Dr. Carlos Roberto Antonio, titular da Clínica Pelle, em parceria com a Farmerp (Faculdade de Medicina de Rio Preto) e tem sido apresentado em congressos nacionais e internacionais com bastante destaque.

A Técnica Implante Celular de Melanócitos consiste na retirada de fragmentos de pele atrás da orelha, ou de outras regiões cobertas do corpo, que não foram atingidas pelo Vitiligo. Os fragmentos vão para o laboratório e são “fatiados” em frações ainda menores e preparados para o implante. O material é injetado através de agulha na área de pele branca, afetada pela doença. Depois o paciente é levado para as máquinas tradicionais de PUVA para ajudar a estimular a pigmentação.

“São micro enxertos que fazemos. Esta nova técnica que estamos aplicando é bem mais rápida e bastante indicada para aqueles casos mais resistentes, onde é mais demorada a retomada da pigmentação da pele”, afirma Dr. Carlos Roberto. Segundo o dermatologista, em cerca de três meses a cor da pele já começa a voltar e os resultados são bem rápidos. “Já tratamentos cerca de 30 pacientes com este novo procedimento e os resultados até agora tem sido muito satisfatórios”, afirma.

Outros tratamentos

Os tratamentos mais antigos do Vitiligo paravam a evolução da doença, ou seja, impediam o avanço das manchas brancas. A recuperação da cor da pele nas áreas afetadas era um processo lento que ocorria com a exposição do paciente aos equipamentos como o PUVA (Psoraleno + Ultravioleta)  ou UVB (Ultravioleta B) que estimulam a pigmentação. Elas emitem uma luz equivalente a uma faixa do sol intensificando a produção de melanina e recuperando a cor da pele. O paciente fica de um a dois minutos, uma ou duas vezes por semana, neste procedimento. O tratamento exigia anos de exposição para um melhor resultado.

O Vitiligo é uma doença de pele caracterizada pela falta ou pela diminuição das células que produzem a melanina, pigmento que dá cor à pele. Segundo especialistas, a doença acomete, em diferentes graus de intensidade, cerca de 1% a 4% da população da população mundial, e não escolhe idade, raça ou cor. Qualquer pessoa que já tenha uma predisposição genética pode manifestar a doença. Fatores como excesso de sol, exposição a produtos químicos ou um forte abalo emocional provocam uma falha no sistema imunológico do paciente que passa a agredir e matar as células de melanina que dão cor a pele. As manchas brancas que caracterizam a doença são as áreas onde ocorreu a falência das células de melanina.

Dr. Carlos Roberto Antonio

Prof. Responsável pela Cirurgia Dermatológica e Laser da Famerp – São José do Rio Preto
Diretor de Conteúdo